Trate a implementação da nuvem como se fosse uma reforma

Custo, confiabilidade e segurança são preocupações óbvias, mas o controle dos objetivos e as responsabilidades são frequentemente ignorados na escolha de serviços em nuvem

 

Toda empresa que pensa em migrar para a nuvem se preocupa com requisitos de confiabilidade, segurança e rentabilidade. No entanto, muitos compradores deixam de considerar cuidadosamente outras duas características extremamente importantes de qualquer serviço de nuvem: o quanto é possível controlar os serviços, sem a interferência do fornecedor e o quando a empresa cede ao seu fornecedor das responsabilidade por tarefas de gestão do dia-a-dia.

Algumas das mais bem divulgadas falhas de  infraestrutura da nuvem (Amazon Web Services e Microsoft Azure já tiveram seus problemas com indisponibilidade) foram seguidas por mensagens enfurecidas de vítimas do grande tempo de inatividade, da perda de geração de dados , ou de ambos nos fóruns de usuários.

A ira dos usuários por ficarem sem um serviço pelo qual estão pagando é perfeitamente compreensível. No entanto, é uma excelente indicação de que esses mesmos usuários de serviços de nuvem não entenderam totalmente a grande responsabilidade que continuam a ter no gerenciamento e na proteção de seus sistemas.

Problemas servem de alerta
Fornecedores têm apenas parte da responsabilidade por perdas causadas por períodos de inatividade ou desconexão. São os usuários os maiores  responsáveis ​​por assegurar que o backup de dados está sendo feito e suas instâncias estão sendo replicadas em diferentes zonas de disponibilidade. Atitudes capazes de atenuar alguns dos grandes problemas reportados.

É do usuário a responsabilidade de entender o que um serviço vai e não vai fazer por ele. E exigir o que de fato o fornecedor se compromete a fazer. Não é preciso um diploma de ciência da computação para entender como isso funciona na nuvem. O que um serviço de nuvem é capaz de oferecer é muito parecido com saber o que qualquer serviço terceirizado oferece.

Seu banheiro ou sua empresa -  aplique os mesmos princípios
Digamos que você queira reformar o seu banheiro. Primeiro você precisa decidir o que quer que seja feito - as necessidades, requisitos e preferências do usuário determinam as etapas de execução do trabalho.

Se você estiver disposto a gastar horas debruçado sobre catálogos ou sobre o  Pinterest para obter ideias para a reforma do banheiro, pode até pensar em fazer o projeto sozinho. Mas haverá sempre a possibilidade de contratar um decorador de interiores para executar a tarefa.

Depois de ter um projeto na mão, você entra na fase de implantação. Dependendo da complexidade e do seu orçamento, você pode contratar um arquiteto ou um pedreiro para executá-lo, ou até mesmo fazer todo o trabalho sozinho.

A primeira opção será, sem dúvida, a mais cara, mas reduzirá substancialmente os riscos. A contratação do pedreiro, por sua vez,  poupará algum do dinheiro, mas exigirá maior supervisão da sua parte. Já a  terceira opção - fazer isso sozinho -  será sempre a mais barata, e o deixará controlar cada pequeno detalhe do trabalho, mas aumentará consideravelmente o risco de desastre.

Conheça os seus riscos e benefícios
Qualquer proprietário está familiarizado com o processo de decisão sobre uma reforma. O que você ainda não sabe é que esse processo tem uma semelhança impressionante com os desafios envolvidos em descobrir como usar a nuvem de forma adequada.

Para levantar as necessidades e elaborar o projeto você pode pesquisar sobre o serviço de nuvem ou contratar um consultor para ajudá-lo. Se você fizer a pesquisa você mesmo é possível que você deixe passar detalhes que não escapariam de um olhar mais experiente.

Para a fase de implantação, você tem essencialmente as mesmas opções para a nuvem que teria para reformar o seu banheiro: contratar um provedor de serviços completo para gerenciar todo o seu ambiente, incluindo backups, patching e suporte ao usuário; usar  parte dos serviços de um provedor de infraestrutura-como-um-serviço para suportar os seus serviços enquanto você fornece seus próprios meios e capacidades de recuperação de desastres; ou construir a sua própria nuvem privada e manter a responsabilidade e controle sobre tudo.

Embora eu tenha focado principalmente em infraestrutura de nuvem, as mesmas decisões se aplicam a aplicativos e SaaS. Se eu quiser executar um site complexo, com um sistema de gerenciamento de conteúdo, posso contratar uma empresa de hospedagem especializada para lidar com a coisa toda, comprar um serviço de Web-hosting direto e instalar e gerenciar o CMS, ou comprar meu próprio hardware e fazer tudo sozinho.

Se eu usar um arquiteto ou "empreiteiro geral", a responsabilidade é inteiramente dele, mas eu certamente não terei o mesmo grau de controle sobre como as coisas serão feitas. Se usar pedreiros, vou ter mais controle e  mais responsabilidade. Se fizer tudo sozinho,  terei o controle que sempre quis, mas também terei que arcar com todas as responsabilidades.

Espero que como usuário de nuvem você saiba melhor como usá-la. E seja capaz de ajudar a tornar os provedores de nuvem mais responsáveis pelas tarefas que de fato vão realizar, considerando os três cenários possíveis.

(82) 3313-1782/ 3313-1783

c2sistemas@c2sistemas.com.br

Avenida da Paz, 1864
Centro - Maceió/AL - 57020-440
Ed. Terra Brasillis - Sala - 305

Filiações:

APL TI
ASSESPRO